Populares Mês

A semana das modalidades, por Pedro Pinto


UMA REFLEXÃO SOBRE ANDEBOL
O que falta a Portugal para ter um andebol de topo? Qualidade individual? Mais e melhor
Formação? Investimento? Mais e melhores infra-estruturas? Mais Promoção/Marketing?
Um dos principais factores que diferenciava Portugal, relativamente aos principais países com sucesso na modalidade era a falta de experiência dos jogadores nacionais em grandes competições de clubes ou em ligas competitivas de grande nível. Nos últimos tempos, felizmente, este panorama tem vindo a alterar-se, com FC Porto e Sporting, por exemplo, a conseguirem qualificações regulares para fases de grupos da EHF Champions Legue e EHF Cup, com bons resultados, ou mesmo vitórias na EHF Challenge. Paralelamente, temos também assistido a uma galopante saída de jogadores nacionais, para algumas das melhores ligas profissionais europeias, tais como Polónia, França, Espanha e Alemanha e com evidente sucesso!
Obviamente, tudo isto tem originado um visível aumento de tarimba internacional nesses jogadores que, ao competirem com os melhores jogadores do mundo e ao serem treinados pelos melhores treinadores do mundo, com mais conhecimento técnico-táctico do jogo, desenvolvem exponencialmente a sua capacidade individual e colectiva. Outra das grandes diferenças que se evidencia no escalão de seniores consiste no trabalho físico dos jogadores, parâmetro FUNDAMENTAL que teremos de melhorar, se queremos atingir a elite do andebol. O trabalho de ginásio é algo que deve ser bem planeado e executado desde bem cedo, mas que em grande parte dos clubes nacionais não acontece por razões diversas, sejam financeiras (falta de infra-estruturas) ou simplesmente opcionais, por não fazer parte dos projectos dos clubes, o que significa que esse trabalho físico indispensável, seja realizado apenas na pré-época. No entanto, nem tudo é mau, pois apesar de no aspecto físico “perdermos” para vários países, existem outros aspectos que são mais trabalhados na formação, pelo que é normal os jogadores portugueses serem mais rápidos e mais evoluídos tecnicamente do que os atletas de outras selecções.
Mas se neste patamar as coisas estão neste cenário, é ao nível da formação que os resultados se mostram ainda melhores, ao ponto de as nossas selecções jovens estarem ultima e regularmente; a atingir fases finais de grandes competições, ao ponto de termos 2 jogadores sub-19, no Top-20 mundial: Luís Frade (pivô do Sporting) na 17ªposição e, principalmente, Diogo Silva (lateral do FC Porto emprestado ao Avanca) na 3ª posição! Diogo Silva foi considerado o jogador mais valioso no Europeu deste 2018, realizado na Eslovénia!
Resumindo, se conseguirmos formar atletas segundo um plano pautado pelo equilíbrio entre o trabalho físico e o trabalho técnico-táctico, será perfeitamente possível que os resultados internacionais possam ser ainda melhores, tanto a nível de clubes como de selecções (julgo que um factor influencia o outro) tornando a nossa liga mais competitiva. Para isso é fundamental um maior investimento em simultâneo de várias instituições, no sentido de dotar os clubes com melhores condições para os atletas poderem evoluir. Sem esquecer, obviamente da promoção massiva da modalidade, que passará por analisar e extrapolar o que de melhor é feito ao nível da educação desportiva, captação de jovens ou integração social, em países como Espanha, França e Alemanha, ou nos países nórdicos, por exemplo!

ANDEBOL
No andebol, a semana começou com um jogo difícil, na Maia, frente ao aguerrido e organizado ADA Maia, treinado pelo nosso ex-adjunto Prof. Rui Silva. A nossa boa vitória por 27-34 não espelha as reais dificuldades colocadas por uma equipa que foi, até agora, a única a conseguir derrotar o actual campeão do cashball Sporting! Com um 16-16 ao intervalo, o FCP teve em Miguel Martins e Angel Zulueta, ambos com 6 golos, os seus principais artilheiros, com o redes Thomas Bauer em bom plano, durante todo do jogo - resumo do jogo.

Já neste Sábado, conforme havia dito, o FCP defrontou o Boavista, para os 1/16 avos da Taça de Portugal. Num jogo bastante agradável de seguir, onde se jogou andebol num Dragão Caixa com uma assistência razoável, triunfámos por 26-40 (apesar de ser no Caixa estávamos como visitantes), com destaque para 2 jovens da formação: Miguel Pinto, na ponta direita ,com 4 golos e um redes de 16 anos (!!!) , de nome Francisco Oliveira, aqui e que promete e MUITO!!! - resumo do jogo

Próximo jogo: FC Porto – Arsenal CD (Campeonato Andebol 1) no Dragão Caixa / Ter. 11 Dez - 21h00 (Porto Canal)

BASKET
Após um pequeno interregno ao qual se seguiu uma boa vitória em casa, frente ao sempre incómodo Illiabum, o FCP deslocou-se este Sábado a Esgueira para defrontar a equipa local. Esperava-se um jogo para confirmar a reviravolta na nossa carreira desta época, já bastante desgastada, fruto de várias derrotas nacionais e internacionais, ou seja, um desempenho muito aquém para um clube como o nosso e a verdade é que o jogo foi bem mais difícil do que o esperado, com um Esgueira muito atrevido, servido por alguns norte-americanos com excelente técnica e que tornaram a nossa vitória MUITO suada! O resultado 82-93, não espelha as enormes dificuldades sentidas, pois o jogo apenas se resolveu mesmo no final, tardando em aparecer capacidade mental na nossa equipa, pois alguns jogadores revelam-se fracos neste aspecto…aqui
Continuemos a acreditar, pois é necessário acumular pontos para subir na tabela e poder disputar a primeira competição da época (Taça Hugo dos Santos) e garantir o melhor lugar possível no playoff, que irá decidir o campeão, no final da época. Ainda há tempo!!!

Próximo jogo: FC Porto – Vitória SC (Liga PB) no Dragão Caixa / Sáb. 15 Dez - 16h00 (Porto Canal)

HÓQUEI EM PATINS
No hóquei, também jogámos nesta última 4ª feira, frente a um HC Braga, que tinha como “cartão de visita” ser a única equipa a ter derrotado o regime/slb esta época. No entanto, com a nossa qualidade e com um miúdo muito talentoso de apenas 18 anos (Hugo Santos) a contribuir com um hat-trick, não demos hipótese aos bracarenses, sobretudo na 2ª parte, vencendo por claros 8-2! - resumo do jogo

Já este Sábado, o FC Porto deslocou-se ao pavilhão do recém-promovido SC Marinhense, equipa com um hóquei bastante interessante, mas que não teve hipóteses contra uns dragões muito profissionais e a saber o que queriam desde cedo, sempre a querer marcar mais um golo, o que até acabou por tirar algum discernimento na parte final do jogo, ou o resultado seria ainda mais desnivelado! aqui. No final, 3-11 e…de malas feitas para a Argentina, para a mítica cidade de San Juan, onde iremos disputar a ambicionada Taça Intercontinental - aqui.

Próximo jogo: CL Murialdo – FC Porto (TI) San Juan (Argentina) / Sex. 14 - Dez 22h00 / Porto Canal? Concepcion PC / FC Barcelona – FC Porto (Se chegarmos à final) / Dom. 16 Dez (hora a definir)

DESPORTO ADAPTADO
Conforme havia prometido no meu primeiro post, sempre que houvesse alguma notícia importante ligada às modalidades do FCP que não as 3 principais, iria obviamente merecer destaque aqui. Assim, não poderia deixar passar em claro a 5ª conquista consecutiva da Supertaça de Ténis de Mesa Adaptado, brilhantemente conseguida frente à Santa Casa da Misericórdia de Vila do Conde! - aqui.

Entretanto, hoje uma boa notícia para o ciclismo da W52/F.C.Porto - aqui

O que está por trás dos delírios da "Rainha de Inglaterra", leia-se Vítor Serpa


Está dado o mote: sempre que as coisas correm mal para os lados da Luz e bem para os lados do Dragão, o clube do regime, sempre incapaz de reconhecer o mérito do F.C.Porto, começa com o choradinho e as queixinhas, pega fogo ao futebol português, os prostitutos da escrita e da palavra seguem em manada a estratégia. E assim, agora como sempre, é preciso passar a mensagem, o F.C.Porto lidera não é porque o tem melhor equipa, melhores jogadores, um treinador competente - Sérgio é bom, mas, porta-se mal, as suas reacções não significam liderança, apenas arrogância -, uma massa adepta que voltou a estar motivada, galvanizada, mobilizada. Não, é porque o F.C.Porto voltou a ter um poder que não é saudável. É, proclamam à boca mais ou menos cheia, o regresso do sistema, os árbitros voltam a só ser humanos e com direito a errar quando erram contra os azuis e brancos ou a favor do SLB, quando não é assim voltaram a ser uns rendidos ao poder, o VAR agora já merece censura - mesmo que os erros se repartam, ao contrário do que acontecia no passado recente e nós tínhamos muitas razões de queixa, nessa altura o VAR era defendido com unhas e dentes, idem para os árbitros e o discurso era, joguem melhor, são apenas desculpas de um clube que não ganha nada há quatro anos e está sobre a alçada da UEFA -, o apito dourado está de volta, dizem eles em coro, na velha, gasta e repetitiva táctica hitleriana, uma mentira muitas vezes repetida passa a ser verdade. É nesse sentido que vai o editorial da "Rainha de Inglaterra", leia-se Vítor Serpa.
Só em delírio alguém pode dizer que o F.C.Porto foi protegido no Bessa. Mas não deixa de ser motivo de risota, a prova provada até onde vai a desfaçatez dos sem vergonha, ver aqueles que do jogo do Bessa só perderam tempo a falar do lance do Brahimi vs Rochinha, após o jogo do Vitória F.C. - Benfica, já estejam preocupados com os excessos, mesmo que qualquer comparação entre o que se passou no Bessa e no Bonfim, seja ridícula.
Faz lembrar o que acontecia com as perdas de tempo. Enquanto os árbitros permitiam que os adversários do F.C.Porto fizessem anti-jogo sistemático e não davam os descontos correctos - houve até um guarda-redes que virou herói, ele que começou a perder tempo no 1º minuto e só parou ao 90º, num jogo de má memória, o jogo que provavelmente impediu o F.C.Porto de ser campeão em 2016/2017 -, ninguém se preocupou, quando o Benfica perdeu um jogo na Madeira com o Marítimo, aí, apesar dos 7 minutos de desconto, as toupeiras disfarçadas de jornalistas, rasgaram as vestes e gritaram que não podia ser.

A conclusão para tudo o que está a acontecer é simples:
Durante quatro anos, apesar do intenso cheiro a podre que pairava no ar e cuja as origens são bem conhecidas, o futebol português vivia no paraíso. O clube do regime ganhava, o seu grande rival em tempos de democracia estava, diziam eles, morto, teso, tudo caminhava na Santa Paz do Senhor - mesmo que o clube que dominava, ao contrário do que sempre acontece com o Gigante da Invicta, depois nas provas europeias não fosse capaz de demonstrar as razões para a sua superioridade interna. Sim, mesmo que as evidências de promiscuidade, compadrio, padres e meninos queridos estivesse à frente dos olhos. Só que, afinal, o morto não estava tão morto assim e apesar dos muitos erros cometidos e dos vários problemas que o afectaram e ainda o afectam, voltou a ser forte, determinado, recuperou a alma e a paixão, está de volta à luta, já ganhou, ameaça ganhar outra vez. E a história repete-se, voltou a frente unida contra o F.C.Porto. Aí, como sempre nas últimas décadas, a latrina da queimada leva a bandeira. Mas não admira que tenham estes repetidos comportamentos. Eles só têm olhos para o encarnado, para eles o que interessa é lamber os seis milhões e por isso nunca se conformaram que um clube que na sua cegueira facciosa e sectária, é apenas um clube da província e regional, seja capaz de se bater taco a taco com o mais, maior, melhor, grande clube do planeta e ganhar-lhe muitas vezes, como aconteceu nos últimos 40 anos.


F.C.Porto 4 - Portimonense 1. Veio de cambalhota a 11ª vitória consecutiva


Depois da batalha do Bessa que tanto deu que falar e mostrou a saciedade o pior do facciosismo e anti-portismo, o F.C.Porto, campeão e líder do campeonato, tinha pela frente o Portimonense e jogava para conseguir a 11ª vitória consecutiva. Conseguiu com indiscutível mérito e para valorizar ainda mais o feito, a vitória de veio de cambalhota, o que é sempre bom para a moral das tropas.

Com o Dragão a registar mais uma assistência abaixo dos 40 mil espectadores - estiveram 33. 511. Jogo à sexta-feira, tempo de chuva e da quadra natalícia... -, a equipa de Sérgio Conceição - de início com Casillas, Corona, Felipe, Militão e Alex Telles, Danilo, Óliver e Otávio, Marega, Soares e Brahimi -, entrou displicente, lenta, desconcentrada, deu muito espaço, o Portimonense em 5×4×1, bem organizado, aproveitou, saiu bem no contra-ataque, Nakajima sempre rápido e bom de bola, cruzou, Vítor Tormena marcou, colocou os algarvios em vantagem. A perder, o F.C. Porto despertou, impôs um ritmo mais alto, passou a jogar melhor, Brahimi pegou na batuta e os Dragões começaram a ameaçar. Primeiro marcaram um golo que foi invalidado e bem pelo VAR - Soares estava em fora-de-jogo na frente do guarda-redes e teve interferência no lance -, mas passado pouco tempo empataram por Marega, colocaram alguma justiça no resultado. Depois e até ao final da primeira-parte, com mais eficácia, melhor definição e qualidade no último passe, podiam ter dado a volta. Não deram, foi com uma igualdade a um que as equipas foram para o intervalo, resultado que penalizava os portistas, mas que premiava o jogo competente e atrevido do conjunto de António Folha.

Na segunda-parte, já com Herrera que tinha substituído Óliver aos 41 minutos, o início do F.C.Porto voltou a não ser famoso - tudo parecia uma fotocópia da forma pouco assertiva como se iniciou a primeira-parte. Mas de repente deu-se o click, quando iam decorridos 57 minutos, Soares após assistência de Marega fez o segundo golo e como o terceiro passados apenas 2 minutos, marcou Brahimi. Apesar de ainda ter sofrido um susto, excelente defesa de Casillas, o campeão nacional já estava em velocidade de cruzeiro, fez o quarto, já com Hernâni e Adrián López nos lugares de Soares e Otávio, não faltaram oportunidades para dilatar a vantagem. Mas, valha a verdade dizer, uma diferença maior penalizaria um Portimonense que se bateu muito bem e tem alguns bons jogadores, Nakajima acima de todos.

Tudo somado, vitória que só os são bernardos, freteiros, cartilheiros e afins, colocarão em causa, dos azuis e brancos, que não tendo feito uma exibição completa - houve períodos de bom futebol, mas alguns momentos de sombra, os primeiros 10 minutos de cada parte e para mim tudo começou num Danilo lento a pensar e a executar, quando o médio campeão europeu por Portugal, arrepiou caminho, fez bem, o F.C.Porto passou a jogar bem melhor -, foram sempre superiores, frente a um adversário que deu excelente réplica e assim valorizou muito a 11ª vitória consecutiva dos Dragões que com mais esta vitória continuam a liderar isolados o campeonato e vão assistir de cadeirão aos jogos dos rivais.

Notas finais:
Jackson Martínez recebeu uma grande salva de palmas, antes do jogo começar e quando foi substituído. Os portistas sabem reconhecer aqueles que o servem com dedicação e profissionalismo, honram a camisola que vestem.

Com toda a pedagogia, repito aqui o que já tinha dito no facebook e no twitter: o são bernardo ladra e a caravana passa. Inchem, mas não se atrevam a rebentar...

Pois, o tempo útil de jogo no campeonato português é uma vergonha...


Depois da publicação do estudo do Observatório do Futebol, sobre o tempo útil de jogo em 37 competições de futebol disputadas na Europa, com o campeonato português a ficar em último, com apenas 46 minutos de tempo útil de jogo; e depois do que se passou no último Boavista - F.C.Porto, fiquei à espera que os vendilhões do templo, aqueles que andam sempre a pregar a moral e os bons costumes, sempre muito preocupados com o futuro do futebol português, dissessem alguma coisa, usassem esse jogo, o deplorável comportamento dos boavisteiros e a permissividade do árbitro, como exemplo a evitar no futuro, dissessem com veemência que a pouca vergonha que se passou no Bessa não se pode repetir, que aquilo que o Boavista praticou não foi futebol. Sim, porque seria a melhor maneira, com um exemplo que estava à mão de semear, de atacar o problema. Mas, apesar de já os conhecer muito bem, de gingeira, como se diz aqui na nossa cidade, saber que eles não passam de um bando de prostitutos da escrita e da palavra, ainda acreditei que num laivo de lucidez e de seriedade, pudessem apontar o dedo e dizer que o que aconteceu no Boavista - F.C.Porto da noite do último domingo, foi demasiado mau, não pode voltar a acontecer. Que o dissessem mesmo que fosse apenas como a excepção que confirma a regra.
Está visto, sou um ingénuo!

Só pode ficar surpreendido com as reacções do Sport Lisboa e Toupeiras, seus cartilheiros, freteiros, peões de brega e afins, quem nos últimos anos andou distraído. Eles estão a ser agora o que sempre foram, aquele é o seu modus operandi. Por exemplo, a justiça civil ou desportiva só é boa e justa, quando toma decisões que lhes agradam. Só há verdade desportiva quando eles ganham. Quando não é o caso, as reacções são as que temos assistido. Se sempre foi esta a prática, quem se pode admirar que agora, metidos na porcaria até ao pescoço - Ministério Público sobre o E-Toupeira:"Dificilmente haverá prova tão cristalina num caso de corrupção" -, acossados por todos os lados, divididos como nunca, para desviar as atenções não usem a velha táctica de sempre, deitem mão ao mais primário do anti-portismo? Mas para além disso, há neste comportamento do clube do regime algumas constantes que se repetem: a falta de originalidade das queixinhas, tipo, eu é que sou o dono da bola... ou a latrina da queimada sempre a funcionar como caixa de ressonância.

Há muitas coisas a melhorar no futebol português. E quem quer essa melhoria a sério - não um futebol de meninos de coro, um futebol sem rivalidades ou sem discussões, isso não existe em país nenhum - e não na conversa fiada, porque apenas deseja que ganhe o dos supostos seis milhões porque é o que vende, temos de ter a coragem de exigir um Benfica diferente. Que não se ache maior que o país, sem a arrogância do mais melhor, maior, grande, e 10 anos à frente dos rivais, com direito a regras e privilégios diferentes, paralelamente exigir uma comunicação social séria, justa, equilibrada e com ética e não esta comunicação social, que salvo raríssimas excepções, está ao serviço do SLB, para fazer o jogo do clube do regime é capaz de tudo, até de vender a alma ao diabo.

Notas:
A 1ª foto da esquerda é do F.C.Porto - Benfica da época passada, um lance entre Jardel e Marega, com o defesa do Benfica a fazer uma falta muito mais evidente que aquela que supostamente Brahimi fez sobre Rochinha. Curiosa a forma como alguns comentadores de arbitragem analisaram os dois lances...
A propósito de Rochinha, esta fotomontagem é a prova provada que estamos na presença de um verdadeiro artista da simulação.

ESTE vídeo é bom e significativo exemplo de que em relação ao comportamento de Sérgio Conceição, o Sport Lisboa e Toupeiras devia estar calado. Em grande plano, para além de Jesus, o famigerado Primo Fernando, o tal que no aeroporto de Faro agrediu o empresário de Moretto na frente da polícia e nada lhe aconteceu.
Também o Catedrático que já é mais conhecido que Cristiano Ronaldo, pausa para rir às gargalhadas... tem um histórico muito interessante.
É o SLB, senhores, é o SLB...

- Ó Vila, o Carlos Janela esteve na latrina TV.
- Onde é que ele devia estar?

F.C.PORTO…INDOOR, um olhar sobre as modalidades, por Pedro Pinto


ANTES DE MAIS…
Aproveitando a oportunidade gentilmente proporcionada pelo “dono deste tasco”, no sentido de acarinhar e dar maior visibilidade às modalidades do nosso clube, inicio aqui uma colaboração semanal com este blog que há muito sigo e tanto admiro!
Por este gesto, quero deixar aqui o meu agradecimento público ao Manuel Vila Pouca, pelo apoio e crença demonstrados, aos quais procurarei corresponder da melhor forma possível: com E por amor ao FC Porto!

PORQUÊ ISTO?
Tenho 46 anos e…não me lembro de existir sem ter o FCP ao meu lado, um clube pelo qual me apaixonei por legado familiar e que sempre vi como uma instituição ecléctica, onde havia espaço para várias modalidades, como o andebol, o basket, o hóquei ou a natação e muitas outras, incluindo o desporto adaptado que, na sua globalidade e diversidade, fizeram de nós um clube muito especial! Passei muitos dias no complexo das Antas com o meu avô paterno, a ver treinos de futebol da equipa principal, jogos das reservas, jogos e treinos das modalidades no Américo de Sá e até a lanchar no bar da saudosa piscina, enquanto via a nossa natação a trabalhar no duro! E tudo isto é que é, para mim o FUTEBOL CLUBE DO PORTO! (…mesmo que o futebol seja a minha grande e maior paixão!).

ANDEBOL
E que melhor altura para começar a falar desta secção, quando na semana passada atingimos mais uma vez (3ª) a Fase de Grupos da EHF (tipo “Liga Europa” do andebol), eliminando na 3ª Pré-Eliminatória (após Potaissa Turda e SKA Minsk) o poderoso SC Magdeburgo, 2º classificado da melhor liga do mundo (Alemanha)! Quem assistiu à 2ª mão no Dragão Caixa, presenciou provavelmente um dos melhores momentos vividos no nosso pavilhão e uma página linda do nosso clube…para além de um fantástico jogo de andebol! Na Fase de Grupos, a jogar entre 9/Fev 3e 30/Mar, defrontaremos os espanhóis do Liberbank Cuenca, os dinamarqueses do TTH Holstebro e os romenos do HC Dobrogea Sud Constanta. Seria FUNDAMENTAL ter o Caixa sempre cheio nos 3 jogos em casa, pois a equipa merece temos fortes hipóteses de nos apurarmos para os quartos de final da prova, o que seria MÁGICO! Pensem nisso!!! aqui

Neste Sábado, assistimos a um escaldante FCP-Benfica que terminou com uma boa vitória por 28-24, que nem a dupla de árbitros madeirense logrou tirar (7/3 exclusões e 4/10 livres de 7m!!!). A semana foi assim…FENOMENAL para o nosso andebol que, nesta época…PROMETE!

BASKET
Num contexto totalmente oposto ao do andebol, o nosso basket vive dias difíceis, numa época que tem sido muito sofrida, com demasiadas derrotas e que, sem querer apontar o dedo a ninguém, precisa de se reorganizar e de se realinhar com a cultura de vitória, inata a um clube histórico como o FCP! Nas duas últimas épocas atingimos a final da Liga mas fomos quase “humilhados” por slb e Oliveirense, tendo esta última ganho TODOS os jogos que fez contra nós na época passada e já mais um esta época e, na minha opinião, ISSO não pode acontecer! Somos o FC PORTO!!!
Veremos se a boa vitória no último jogo, frente ao Illiabum, no Caixa, representa uma viragem na época que ainda vai no início mas já carrega um peso negativo considerável…TUDO ainda é possível nas competições internas! É preciso meter gente no pavilhão! Porque não uma claque para as modalidades caro Madureira? Será que não se poderia destacar uma parte dos SD (não têm de ser elementos fixos!) para estarem presentes nos jogos do Caixa?! (Os Colectivo tb poderiam contribuir!) É pelo Porto, carago!!! (o basket só volta a jogar dia 8, em Esgueira)

HÓQUEI EM PATINS
Após mais um “roubo” na capital, desta feita frente aos viscondes de alvalade (as dificuldades
de jogar em Lisboa têm vindo a aumentar “pornograficamente”…) o FCP jogou neste Sábado frente aos italianos do Lodi, para a 3ª jornada da Liga Europeia, num jogo entre invictos.
Resultado: 8-3, numa exibição segura e autoritária que só baixou no final, fruto de algum relaxamento pelos números expressivos. Estamos agora em primeiro, só com vitórias, no final
da 1ª volta. O pavilhão esteve bem composto, mas…sem claque (estava a guardar-se para o
andebol, a seguir…). Com arbitragens imparciais…somos MUITO fortes!!! aqui
Reconhecendo isso mesmo, o FCP acaba de renovar com o “nosso” técnico Guillem Cabestany por mais 1 temporada, o que para mim é uma excelente notícia, esperando que este seja MESMO o ano da consagração europeia, que já merecemos há muito!
Antes disso, dentro de uns dias o FC Porto vai jogar a Taça Intercontinental, na Argentina - aqui

Para terminar, quero reforçar que o meu objectivo com estes posts é tentar criar nos
portistas um elo de ligação mais estreito com as modalidades* do clube, em particular as
profissionais, que tantas alegrias nos têm dado! Mas…é preciso apoio, ir pelo menos aos
jogos em casa, acarinhar as equipas e ver IN LOCO, que o nosso clube é BEM mais do que
futebol! Vão ver que vale a pena! Eu quero um Porto TOTAL!!!! E vocês?

Obrigado a quem me leu…para a semana há mais!!!
Destacarei, sempre que justifique, notícias importantes de outras modalidades do clube, neste espaço!

Boavista 0 - F.C.Porto 1. Hernâni evitou um crime de lesa futebol


Podemos especular, fazer prognósticos no final do jogo, pensar se a abordagem de Sérgio Conceição não devia ter sido diferente, meter Soares de início, seria mais um na área a dar trabalho a uma defesa reforçada; que estes jogos pós Champions são sempre complicados, há um grande desgaste físico e psicológico, depois do que foi conseguido, por mais que se tente alertar, é natural que haja alguma descompressão; até que faltou inspiração, incapacidade para circular rápido, encontrar as melhores opções para desmontar a teia montada pelos do Bessa, falta de eficácia; enfim, podemos dizer tudo, especular sobre tudo; mas sendo o futebol um jogo de contactos, que admite virilidade e agressividade, futebol não é Rugby, não vale tudo e Hugo Miguel permitiu, durante demasiado tempo, tudo aos jogadores do Boavista. E quando é assim o jogo fica artificialmente mais equilibrado, a melhor equipa fica prejudicada, é sempre mais difícil impor-se, vencer. Apesar disso o F.C.Porto venceu e venceu com todo o mérito e toda a justiça, porque, mais uma vez, nunca deixou de acreditar, procurar ganhar. Aliás, foi a única equipa que quis jogar, que quis ganhar.

Claro, hoje o que importa discutir não é se é este o futebol que queremos, é, principalmente, se Brahimi fez penalty - já o golo do Herrera (onde estava a linha que normalmente aparece na transmissão televisiva e quase sempre ajuda a clarificar?) o lance sobre Soares (então os agarrões a Bas Dost são penalty e o agarrão a Tiquinho não?) ou como foi possível Idris chegar ao fim com apenas um amarelo, por discutir e já no final do jogo... A forma como Hugo Miguel permitiu a violência boavisteira e assim condicionou a superioridade individual e colectiva do F.C.Porto, isso não importa para nada, é preciso bater nas mesmas teclas de sempre, fazer o jogo do mesmo de sempre.
Já sobre Hugo Miguel uma pergunta: quando há tanta falta de árbitros no Rugby, que tal deixar o futebol e dedicar-se ao jogo da bola oval?

Já o Sport Lisboa e Toupeiras, através do director de comunicação, Luís Bernardo, não surpreende. São uns ordinários, um clube dirigido por gente muito pouco recomendável. Não há azia que justifique este comportamento miserável. Também não surpreende que alguns ratos de sarjeta, os tais que enchem a boca a falar de clima de ódio, no excesso de protagonismo dos directores de comunicação, depois não se cansam de alimentar estas atitudes vergonhosas, com destaques de capa. São, não me canso de repetir, uns prostitutos, uns vendidos.
O Benfica, metido da porcaria até ao pescoço, implicado e investigado até ao tutano, já acusado de 30 crimes e sob investigação em muitos mais, tem a ousadia e petulância de falar em sujidade? É o cúmulo da desfaçatez!

A palestra do treinador do Boavista antes do jogo não deve ter andado longe disto:
- Malta, eles são muito mais fortes, estão num excelente momento, moralizados, confiantes, só temos uma hipótese de os parar, é começar logo de início a bater, agarrar, não deixar jogar de maneira nenhuma, passa a bola, não passa o homem.
- Ó mister, mas o árbitro?
- Não há problemas, o Hugo não gosta deles. Lembram-se do como é bom vê-los a provar do próprio veneno? Batemos e depois vemos a reacção, se for preciso ajustamos...

Com as imagens disponíveis, sem linha, só por manifesta desonestidade intelectual alguém pode afirmar que o golo do Herrera foi bem invalidado.

A célebre frase de Artur Jorge, dita em 1995, "O Benfica é um circo", continua actualizadíssima



"O Benfica é um circo", esta frase célebre, dita por Artur Jorge em 1995, continua, passados 23 anos, actualizadíssima - agora, aos palhaços, ilusionistas, trapezistas, contorcionistas, malabaristas e equilibristas, de outrora, acrescentaram-se dois números de uma originalidade e criatividade dignos de registo: os câmaras de eco, vulgo cartilheiros; e os comedores de gelados com a testa, aqueles que acreditam que é branco, mesmo quando é óbvio que é preto. Lamentavelmente, agora, por razões óbvias, muito mais que em 1995, para além do apresentador de ser do mais bronco que há, o circo é propagandeado em tudo que é jornal, rádio e televisão, quem está cansado deste triste e pouco edificante espectáculo, é quase obrigado a assistir a estas sessões de propaganda de nível baixo, com protagonistas, feios, porcos e maus. Até quando estaremos condenados a aturar estas manifestações de grandeza pífia e de péssimo gosto?
Ai Portugal, Portugal... aproveita esta oportunidade de ouro e acaba com esta pobreza franciscana, esta apologia da mediocridade e passa a dar mérito e valor a quem na prática o merece.

Como disse muitas vezes em defesa dos méritos do F.C.Porto, uma delas está quase a fazer um ano, AQUI, quando mesmo perante a evidência de quem é(era) o melhor e porque ganha(va) mais que os outros, há uma verdade que é como o algodão, não engana, há um barómetro que mostra sempre muito bem quem é quem: as provas europeias. E aí, meus amigos, não há comparação possível entre o F.C.Porto e os outros, só não vê quem está de má-fé, agora como no passado.
Como conheço bem alguns artistas e tenho uma memória de elefante, não me comovo com tantos elogios, não fico emocionado perante tantos cantos de sereia.

Não é que o Sexta às 9, da nossa da queriduxa Super-Sandra, a tal que investiga tudo, fala de tudo menos do SLB - esta noite esmiuçou o depoimento de BdC no Tribunal do Barreiro - hoje, numa peça de Luís Miguel Loureiro, toma as dores do árbitro despromovido, Gonçalo Martins, afilhado de um dos maiores tentáculos do polvo, o conhecido Nuno Cabral? Quem lhe terá encomendado o sermão?

F.C.Porto 3 - Schalke 1. Dragões seguem para os oitavos e vencem o grupo D, a uma jornada do fim. Brilhante!


Com o jogo entre o Lokomotiv de Moscovo frente ao Galatasaray a terminar antes do início do F.C.Porto - Schalke e depois da vitória do campeão russo - parece que havia por aí gente a desejar que terminassem a fase de grupos com zero pontos, sabe-se lá porquê...-, ambos os dois - como diz o outro -, entraram em campo já apurados. Logo, menos pressionados, mas havia o 1º lugar para decidir, prestígio para consolidar, pontos que significam muitos milhões de euros para arrecadar.
O F.C.Porto venceu e venceu com um mérito que ninguém ousará contestar, num jogo que em particular na segunda-parte, o conjunto orientado por Sérgio Conceição atingiu momentos de grande fulgor e que empolgaram as bancadas - o F.C.Porto está a ficar ao nível do melhor Porto da época anterior. Forte, organizado, consistente e com qualidade de jogo. Que seja para continuar. Bancadas, onde 41.603 espectadores, incluindo mais de 4000 alemães, fizeram a sua parte, colaboraram para uma festa do futebol e para que fosse um bonito espectáculo.
Pena que por causa de um clube que goza de privilégios especiais e se julga acima da lei, cheio de arrogância e grandeza pífia, o futebol português não possa ser uma festa como é quase sempre a Champions League. Árbitros de classe, com critérios uniformes e sem tiques de personalidade, por isso respeitados, mesmo quando erram; rigor na organização dos jogos que começam sempre à hora marcada; disciplina criteriosa e em tempo útil. O único problema e que é o calcanhar de Aquiles da UEFA, tem a ver com  a questão do fair-play financeiro, onde há filhos e enteados.
Quem tem medo de um futebol assim em Portugal? E vamos ao jogo...

Na primeira-parte, Schalke muito bem organizado e com a lição bem estudada, pressionava alto e condicionava a saída, dragões com dificuldades em se libertar da teia dos alemães. Mesmo assim, foram os portistas que estiveram mais próximo do golo, não marcaram porque aos 15 e 19 minutos, Fahrmann, o guarda-redes do vice-campeão da Alemanha. fez duas grandes defesas, uma a remate de Danilo e outra de Marega.
Tudo somado, mesmo que Casillas, ao contrário do que aconteceu na outra baliza, nunca fosse chamado a grande trabalho e o F.C.Porto estivesse ligeiramente por cima, o nulo era um resultado aceitável.
Ao intervalo apetecía-me dar um chapadão ao Maxi - há jogadores que não podem ficar muito tempo parados, perdem ritmo, demoram a engrenar. Parece ser o caso do uruguaio. Os segundos 45 minutos não tiveram nada a ver com os primeiros.

Na segunda-parte tudo foi diferente. Herrera logo aos 47 minutos falhou na cara do guarda-redes, mas estava dado mote para 45 minutos de qualidade superior, com cerca de 20 minutos diabólicos. Aos 52 Militão abriu o activo, aos 55 Corona aumentou a vantagem e a equipa de Sérgio Conceição, unida, confiante e motivada, passou a ser dona do jogo, podia e merecia ter feito mais golos. Só dava Porto, os Dragões dominavam a seu belo prazer, os alemães estavam conformados, aproveitou o treinador dos azuis e brancos para rodar, fazer descansar Brahimi, Corona e Herrera, para as entradas de Adrián, Otávio e Hernâni. E apesar de o terceiro golo portista estar sempre mais perto que o primeiro dos de Gelsenkirchen, claramente contra a corrente do jogo, foi o conjunto de Domenico Tadesco a reduzir, já muito perto dos 90 minutos e num penalty por bola no braço de Óliver, que tinha o braço numa posição anormal, para citar os entendidos. Faltava o tempo de descontos, era preciso aguentar. O F.C.Porto aguentou, fez mais, através de Marega, ainda marcou o terceiro, acabou com qualquer esperança dos alemães, colocou o resultado em números que não fazendo totalmente justiça ao excelente jogo e superioridade do campeão português, deu uma ideia mais real do que foi o jogo.

Notas finais:
Tínhamos como objectivo mínimo chegar aos oitavos-de-final. O objectivo foi conseguido com brilhantismo, a uma jornada do fim e como vencedor do grupo - facto nada despiciente para o sorteio que se vai seguir. Vai sair seguramente um adversário difícil, mas e pelo menos teoricamente, será sempre menos difícil.

Foi a 15ª vez em 23 participações na prova rainha da UEFA, que o F.C.Porto passou à fase a eliminar. Um feito! Não tem o destaque que merecia, mas como estamos em Portugal onde constantemente se faz a apologia da mediocridade centralista personificada no clube do regime, também não importa muito.

Até este momento o F.C.Porto já meteu ao bolso mais de 70 milhões de euros, já superou a verba orçamentada que era de 67 - 43,75(15,25 +28,5 de prémio de entrada e coeficiente do ranking) + 11,7(4x2,7+1x0,9) + 9,5 da passagem aos oitavos-de-final, a que acresce o valor das receitas dos jogos, a verba que os detentores de Lugar Anual com Champions incluída já pagaram + o pool televisivo -, logo e segundo as declarações do administrador financeiro - apesar de pouco valerem -, não precisamos de vender, estamos em melhor situação para resistir a alguns assédios.

O futebol está e muito justamente, incomodado com a classe política porque o IVA manteve-se em 23%. Mas que tal agirem em conformidade? Que tal, por exemplo, boicotarem aquelas cerimónias que os políticos levam a efeito e até metem condecorações sempre que clubes e selecções têm sucessos? Que tal deixarem de convidar políticos para as tribunas?

Última hora:
Depois de ouvir Luís Filipe Vieira e ainda sem saber quem é o garganta funda, só posso concluir...

O F.C.Porto vs Schalke; Vieira que nunca viaja; e, como, Senhor Presidente Marcelo?


O F.C.Porto pode carimbar hoje a passagem aos oitavos-de-final da Champions e até como vencedor do Grupo D. Mas calma e muito respeito por um adversário difícil, um Schalke que não sendo um papão, é sempre uma equipa alemã, tem qualidade, bons jogadores, é fisicamente forte, capaz de pressionar muito, jogar em ritmos altos os 90 minutos. Por isso, cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém. É preciso um grande Porto dentro e fora do campo.

Tem sido uma constante, acho que eles até já têm uma minuta que, com pequenas alterações, serve de padrão, sempre que o Benfica viaja para jogos europeus: Vieira não viajou com a equipa, mas estará em... a tempo de participar no tradicional almoço de direcções.
Só que depois Vieira nunca viaja e as desculpas, como podem verificar clicando nas imagens em baixo, são uma delícia, de fazer rir até às lágrimas. Será que estes artistas ainda não se interrogaram e procuraram saber porque Vieira nos últimos tempos nunca viaja para fora do país? Vá lá, investiguem...
Como diz o Miguel Sousa Tavares, Vieira é um homem cheio de sorte... vai variando entre o Rei Midas capaz de nada fazer milhões - um gestor de excelência, como podemos constatar no rigor com que paga sempre o que deve aos bancos, por exemplo - e passar sempre pelos pingos da chuva, sacudindo a água do capote, contando para isso com lambe cus como Fernando Guerra ou freteiros como José Manuel Delgado.

Primeiro ler para perceber:
- Ó Senhor Presidente, como?! Pela sua rica saúde, poupe-nos! O Estado, todos nós, como se fosse pouco o tanto que já contribuímos para pagar os dislates de tanta gente que anda por aí à solta e devia estar na choça, ainda íamos ser chamados a contribuir para resolver os problemas da Comunicação Social(CS)? Não, não e não!
Era o que faltava que também agora os nossos impostos servissem para subsidiar o jornalismo sem rigor, isenção, equilíbrio, equidistância, ética e deontologia. Indo ainda mais longe, em alguns casos, um jornalismo - se é que se pode chamar a isso jornalismo -, que calunia, difama, insulta e falta sistematicamente ao respeito a pessoas e instituições. E este jornalismo, lamentavelmente, é cada vez mais o que diariamente nos é servido, mesmo em OCS públicos.

- Copyright © Dragão até à morte. F.C.Porto, o melhor clube português- Edited by andreset