quinta-feira, 24 de Julho de 2014

Efeito Neuer


Para mim paradigma do guarda-redes ideal é o alemão Manuel Neuer. É bom entre os postes - torna a baliza mais pequena; é bom a sair aos cruzamentos; está sempre concentrado, pronto a fazer a diferença, mesmo quando a maioria do tempo é mero espectador; é muito bom fora da baliza - funciona como se fosse um líbero; é extraordinário, para um guarda-redes, a jogar com os pés - tomaram muitos dos que jogam à sua frente terem a sua qualidade de passe, ao perto e quando arrisca mais. Resumindo, é um guarda-redes completo, o guarda-redes ideal para equipas grandes, fundamental se essas equipas - no caso Alemanha e Bayern - não têm centrais rápidos, mesmo que tenham uma excelente organização e os equilíbrios funcionem - há sempre contra-ataques que precisam ser travados... No Mundial, apesar do brilho de K.Navas, Ochoa ou Tim Howard, todos eles pareceram de menos em relação a Manuel Neuer. Vem isto a propósito do que vem sendo dito e escrito sobre o F.C.Porto estar interessado num novo guarda-redes. Com Helton em stand by - tenho opinião bem definida, mas enquanto a situação não ficar clarificado não vou dizer nada e portanto, tudo aquilo que vem na comunicação social sobre o ainda capitão do F.C.Porto, não me interessa. Domingo, o mais tardar, vai ficar tudo em pratos limpos... -, Kadú na equipa B e Ricardo a partir como terceiro guarda-redes, só faz sentido contratar alguém que tenha aquilo que Fabiano já tem - é rápido a sair ao encontro de quem aparece isolado e ágil entre os postes. Na tal concentração para fazer a diferença em jogos onde é pouco solicitado... ainda não deu para um juízo de valor seguro - e tenha aquilo que ao actual titular do F.C.Porto ainda não tem - saídas aos cruzamentos, jogar fora da baliza. O tal líbero que equipa grande que joga ao ataque, subida e não tem centrais rápidos precisa -, bom jogo com os pés e até nem refiro outra característica de guarda-redes de grande equipa: saber quando deve aguentar a bola, baixar o ritmo ou colocá-la rapidamente em jogo.
Portanto e como conclusão, se for possível encontrar alguém que tenha um perfil que reúna muitas destas qualidades, OK, se for alguém que não marque a diferença em relação ao que já temos... mais vale deixar ficar como está.

Como o F.C.Porto não divulga lista de dispensas, vamos acreditar naquilo que vem nos jornais e que Josué, Ghilas, Abdoulaye e Licá não fazem parte do plantel para 2014/2015. Após uma temporada em que todos os jogadores pareceram pior do que são na verdade, se as dispensas de Abdoulaye e Licá já eram expectáveis, para mim as de Ghilas e Josué são uma surpresa. O primeiro porque nunca teve oportunidade de jogar com regularidade e quem joga hoje e sai amanhã, ou entra a poucos minutos do fim e em circunstâncias difíceis, nunca pode mostrar todo o seu valor. Mas também porque com o mercado a durar até ao fim de Agosto e sem a certeza absoluta que Jackson vai ficar - a não ser que vamos estar prevenidos, mesmo para uma transferência tipo Hulk -, Ghilas podia fazer muito jeito.
Já em relação a Josué, é verdade que temos muitas e boas opções para o meio-campo e quem sair para ficar Josué?, mas continuo a pensar que tem talento, um belíssimo pé esquerdo, é português e portista. Ao contrário do que pensa um Dragão meu amigo, não creio que seja por irreverência e rebeldia a mais.
Aos quatro desejo que rapidamente encontrem clube e possam mostrar valor para regressar. Já aconteceu com vários que saíram e voltaram para serem muito felizes de camisola azul e branca vestida.

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Brahimi; o tal "jornalismo"; e a propósito de um Poker de André Silva


Granada pressiona; Granada está a perder a paciência e não vai esperar mais; Granada exige ficar com parte do passe; transferência de Brahimi gera tensão; Brahimi custa 8,5 milhões de euros. Tudo miminhos dos nossos "queridos amigos" que e lamentavelmente, mexem com as cabecinhas pensadoras e o sistema nervoso de alguns portistas muito impacientes. Afinal, no momento certo e no tempo do F.C.Porto, Brahimi assinou por 5 anos, custou 6,5 milhões, o F.C.Porto ficou com 100% dos direitos económicos e a cláusula de rescisão é de 50 milhões
Como sempre e porque não conheço muito bem o jogador - vi apenas uns minutos frente à Alemanha e embora já me dessem as melhores informações, sou como S.Tomé... até porque também tive um amigo que torceu o nariz -, vou aguardar, ver com calma e sem precipitações e lá mais para a frente, então sim, direi qualquer coisa. Não se pode pensar e exigir que um jogador que chega de novo mostre logo tudo. Até pode acontecer, mas o normal é precisar de tempo.

A "honestidade" do "porquinho de brega".
Depois de ter andado a dizer que Brahimi custava 8,5 milhões de euros, Nuno Vieira, no panfleto da queimada de hoje e a propósito da contratação de Brahimi, diz o seguinte: "... a operação foi fechada por 6,5 milhões de euros, um valor LIGEIRAMENTE inferior ao que foi ventilado nos últimos dias." Portanto, uma diferença de 2 milhões, num negócio que era para ficar, segundo ele por 8,5, é coisa pouca, apenas uma verba LIGEIRAMENTE inferior. OK. Mas o mesmo "artista", a propósito de dois jogadores que o F.C.Porto dispensou, Josué e Licá e que custaram 0,5 e 1,5 milhões de euros, respectivamente, aí, os mesmos 2 milhões, já são... uma verba SIGNIFICATIVA! 
O "porquinho de brega" e os seus compinchas da queimada, colocam como destaque os sete milhões que o F.C.Porto gastou em jogadores que agora foram dispensados, como se o amanhã não existisse, quando não se sabe o que vai acontecer no futuro, por exemplo, se a verba investida ainda vai ser recuperada e com juros.
Deviam ter vergonha quando falam de ética, quando apregoam a moral e os bons costumes.

No Campeonato da Europa de sub-19, Portugal derrotou a Hungria por 6-1. Foi uma exibição de qualidade da equipa portuguesa, alicerçada num colectivismo assinalável, colectivismo que potenciou algumas individualidades, uma das mais destacadas, André Silva, jovem avançado do F.C.Porto que conseguiu um Poker - 4 golos. Para além de André, na selecção de Hélio Sousa ainda estão mais quatro jogadores pertencentes ao Dragões: Rafa, Ivo Rodrigues, Francisco Ramos e Tomás Podstawski. Isto leva-me  a dizer o seguinte:
Sendo importante ganhar títulos na formação, é sempre melhor crescer com hábitos de conquistar títulos do que sem eles, ganhar títulos não é tudo. Formar jogadores de qualidade, capazes de chegar à equipa principal, é a verdadeira essência da formação num clube como o F.C.Porto. Os citados, mais Rúben Neves, Gonçalo Paciência e outros que temos na formação - não é necessário que todos sejam portugueses - serão, embora com os cuidados necessários, se houver vontade e coragem de os meter à carga, o futuro do F.C.Porto e no caso dos portugueses, do futebol português.
Pergunto-me, como com tanta qualidade, o F.C.Porto não conquistou o título nacional de sub-19... Não pode ter sido apenas o andar a saltitar entre um lado e outro, entre os sub-19 e a equipa B.
Também na formação, a "morte" do F.C.Porto era manifestamente exagerada.

Para terminar, ainda sobre André Silva, Mike e Melga encontraram-se, fica o diálogo:
- Melga, ainda bem que o André Silva é apenas André Silva.
- Claro que sim, não estou a perceber onde queres chegar...
- Melga, estás de raciocínio lento, pareces aqueles que levaram o Vila Pouca a colocar uma barra no blog a dizer que não é Psiquiatra. Quero dizer que ele não apareceu em grande destaque de capa e com uma frase  a acompanhar a foto: O novo Fernando Gomes!

PS - O porquê de "porquinho de brega"
O F.C.Porto ia jogar a Braga, estávamos na recta final do campeonato 2011/2012, era o obstáculo mais difícil que tínhamos de ultrapassar na caminhada para o título. Nuno Vieira no panfleto da queimada, antes do jogo na Cidade dos Arcebispos, com claro objectivo de lançar a confusão, criar instabilidade, fez uma peça onde dizia:
Aconteça o que acontecer, na próxima época Vítor Pereira não continua no F.C.Porto. Como se provou, nem a badalhoquice do "porquinho de brega resultou", F.C.Porto foi campeão, nem Vítor Pereira saiu.

terça-feira, 22 de Julho de 2014

Entre a defesa e o ataque


Como não me canso de dizer, as grandes equipas constroem-se a partir de trás, uma boa defesa à frente de um guarda-redes de qualidade, é muito importante, a partir daí tudo fica mais fácil. Esta pequena nota serve para dizer o seguinte: até podemos vir a ter uma defesa que dê problemas, mas dizer que vai residir no sector mais recuado o calcanhar de Aquiles do F.C.Porto 2014/2015, a partir do jogo frente ao Genk, é um exagero, uma análise prematura, é ver a árvore e não enxergar a floresta. Fazer críticas à defesa, esquecendo que nem a defesa mais segura e coesa do Mundo, resiste a erros individuais grosseiros, omitindo que estamos no início da época e ainda faltam jogadores; ignorar que uma equipa tem de começar a defender lá à frente; tem de ter um meio-campo que filtre; as compensações têm de funcionar; não podemos ter só artistas que jogam com a bola no pé e não reagem à perda, nem ajudam nos equilíbrios da equipa; é tentar enganar incautos, procurar abrir trincheiras para confundir os menos atentos. Se uma equipa não funcionar como um bloco, com a pressão a começar logo nos avançados; se os alas deixarem os laterais subirem sem oposição; se no sector-intermediário só for composto por artistas incapazes de marcar e recuperar bolas; a defesa vai sofrer, vai ter de aguentar com avançados embalados, jogadores adversários  a terem tempo para pensar e executar à vontade, a bola vai aparecer nas costas, nos espaços mais difíceis para os centrais e laterais e aí, nem os Hummels nos safavam.

Vamos F.C.Porto, os vendilhões chiam, mas a caravana do Dragão passa.
Os analistas de pacotilha perderam completamente a noção do ridículo e com a má-fé que os caracteriza  todos os dias saem a terreiro contra a política de contratações que o F.C.Porto leva a efeito neste início de temporada. Por exemplo, o OMO lava mais branco Serpa, o director, entre aspas, do panfleto da queimada, fala em poço de petróleo. Este e outros que na época passada tanto exaltaram Vieira, Vieira que, finalmente, casa arrumada, ia a postar no futebol, agora não conseguem disfarçar o incómodo que lhes provoca o novo Porto. Compreende-se. Depois de falarem e apostarem todas as fichas no fim de ciclo do F.C.Porto e o nascimento de uma nova hegemonia, agora vermelha, no futebol português; esquecendo o histórico de mais de 30 anos e a forma como o Dragão reagiu após 2009/2010 - que Diabo, não vai tanto tempo assim...-, a pandilha tudo faz para lançar a confusão, mesmo que seja à custa de análises que de tão ridículas e surreais, deviam cobrir de vergonha quem as produz. É o poço de petróleo; são os empréstimos, quando apenas um foi sem opção de compra; é Jackson que está de saída e por 30 milhões, quando em 5 de Junho já era sabido que só pela cláusula ou muito perto disso o colombiano sairá; é a pressão de ganhar, como se no F.C.Porto a pressão seja coisa nova, só vá existir nesta época e Lopetegui seja diferente dos outros treinadores que serviram o melhor clube português; etc. e tal.

Meus amigos, não futebol não há garantias de vitórias antecipadas, mas estamos a percorrer o caminho certo. Vê-los tão preocupados connosco, incapazes de disfarçar a preocupação, com ataques de azia que nem uma caixa de Kompensan resolve, ao mesmo tempo que vão dando cambalhotas e fazendo números de contorcionismo que nem os melhores contorcionistas seriam capazes de executar, a mim, dá-me um grande gozo!

A transferência de James para o Real Madrid - dizem que por 80 milhões -, para além da compensação que vai dar ao F.C.Porto - perto de 1,2 milhões -, enche-nos de orgulho. Foi na Nossa Universidade que se formou, foi mais um negócio excepcional que o F.C.Porto realizou.
Pinto da Costa ri-se baixinho, o outro cora de vergonha
Ah, já me esquecia: sem ajuda de um fundo, nunca o F.C.Porto teria contratado James Rodríguez.

Estás enganado, Miguel Sousa Tavares, o filho pródigo não vai regressar em força. Os portistas têm memória de elefante.

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Que se passa, Helton?

O que significa isto?

Não há novidades, continuamos sem saber o que esteve na origem desta publicação na conta de Instagram de Helton. Terá sido um momento de desânimo que levou a uma precipitação e a um desabafo extemporâneo e vago? Helton sabe que nos dias de hoje estas notícias? se propagam a grande velocidade e se depois o silêncio impera a especulação surge e isso não é bom.
Esperemos todos que rapidamente se faça luz sobre esta questão. Estamos numa fase importante da temporada, o F.C.Porto precisa de tranquilidade e serenidade, que o enfoque esteja totalmente no trabalho diário.

domingo, 20 de Julho de 2014

As surpresas Sami e Rúben Neves, mais Tello, Adrián e Óliver Torres


Sami, o patinho feio das aquisições portistas, mostrou ontem e dizem que já frente ao Venlo tinha feito pela vida, que pode ser uma bela surpresa e ao contrário de muitos prognósticos fazer parte do plantel do F.C.Porto para a temporada 2014/2015. Está feliz e entusiasmado por estar no F.C.Porto, mostra isso no campo sempre que é chamado à liça. Com os belgas do Genk apareceu no centro do ataque um Sami desinibido, agressivo, despachado, com a baliza nos olhos e sem medo de arriscar. Ainda é cedo para juízos finais, mas se vai haver uma primeira triagem já esta semana, não acredito que o ex-Marítimo faça parte parte da primeira lista de excluídos.

Adrián no jogo que fechou o estágio do F.C.Porto apareceu a jogar pelo meio no ataque portista. Não fez nada de muito relevante, mas não concordo com algumas opiniões que dizem que ali não dá, o espanhol ex-Atletico de Madrid é para jogar nas alas. Acho que em jogos onde o favoritismo não for do F.C.Porto, estou a pensar especialmente em alguns das provas europeias e são precisas cautelas, defender bem e contra-atacar, desde que bem servido, quando faz o pique para o espaço vazio nas costas dos defesas, Adrián pode ser importante. É diferente de Jackson, claro que é e não veio com a missão de substituir uma provável saída do colombiano, mas também pode jogar como avançado pelo meio ou segundo avançado e ser muito útil.

Tello, esse sim, é um ala, prioritariamente pela esquerda, não estou a ver Lopetegui a colocá-lo no meio, mesmo que o jovem oriundo da formação do Barcelona também seja rápido e até mais técnico que Adrián. Ontem era quase impossível ver um bom Tello, apenas fez três treinos, ainda não tem capacidade física para ganhar duelos individuais, nem capacidade explosiva para sair dos dribles. Quando tiver, aí outro galo cantará e Tello será uma figura do F.C.Porto e da Liga Portuguesa. Isto se a lógica não for uma batata e às vezes, no futebol, é. Mas se com a dupla Tello mais Alex Sandro, para a frente não há problemas, atenção aos equilíbrios, a organização à perda de bola, principalmente se do outro lado também for tudo prafrentex - se Quaresma e Danilo forem os da época passada, embora não acredite.

Óliver Torres ainda é um menino e tem cara de menino, ainda precisa de aprender a definir melhor, a ser mais objectivo na zona de finalização, mas tem grande qualidade. Com ele a posse é segura, porque a bola sai quase sempre redondinha; com ele temos alguém capaz de transformar pequenos em grandes espaços, de, com criatividade e porque não, génio, deixar os avançados em boa posição para marcar. Falta saber como se comporta na transição defensiva.

De Evandro já falei quando o contratamos, mas para mim é um candidato a titular. Tem a vantagem de atacar e defensor com equilíbrio.

Pelo à vontade e maturidade e qualidade que já mostra, Rúben Nevez deve fazer parte do plantel principal do F.C.Porto e a partir de agora. A gestão da sua utilização entre a equipa A e B deve ser feita com critério e com cuidado, mas é junto dos melhores que Rúben deve trabalhar diariamente. Chega dessa história de assimilar processos, queimar eatapas e outras frases pomposas, mas que nos deixa com a sensação, como aconteceu com outros no passado, que se tivesse havido coragem poderiam ter tido outras oportunidades de Dragão ao peito.

Soltas sobre o F.C.Porto:
Djalma foi novamente emprestado ao turcos do Koyaspor.
Bolat também viajou para a Turquia, vai jogar por empréstimo, ao contrário de Djalma, com opção de compra, no Galatasaray.
Philip Cocu, treinador do PSV, declarou que Steven Defour quer jogar no clube de Eindhoven. OK, mas estão a fazer as coisas ao contrário. Primeiro deviam entender-se com o F.C.Porto e depois sim, dar conta conta da vontade do jogador.

Curiosidade do dia.
A Bola, também conhecida pelo panfleto da queimada, tem no seu site uma pergunta curiosa:
«Com Casemiro, FC Porto torna-se no mais sério candidato ao título?»

sábado, 19 de Julho de 2014

KRC Genk 1 - F.C.Porto 3. No bom caminho


No primeiro jogo com algum grau de dificuldade, o F.C.Porto deu indicações de estar no bom caminho. Uma vitória justa na casa do Genk, sexto classificado no último campeonato belga, com períodos muito interessantes, mais na segunda-parte e um Sami a mostrar a todos aqueles que nem o benefício da dúvida lhe deram, está lá para complicar a vida ao treinador. É natural que os segundos 45 minutos fossem melhores, entraram jogadores que estão a trabalhar desde que a época começou, têm mais ritmo, estão menos cansados que os só chegaram há poucos dias e estando menos desgastados, pensam e executam mais rápido e melhor. Houve pressão, não uma pressão isolada e desgarrada, mas com critério e organização; houve boa circulação e uma posse segura; houve largura, vontade de atacar sempre, mesmo quando a vantagem já era de dois golos; mas também houve erros grosseiros e que atendendo à qualidade e quantidade, vai ser o cabo dos trabalhos para quem os cometer. Também têm de ser corrigidos os espaços que aparecem nas costas de uma equipa que quer ser curta, compacta e subida. E erros por displicência e desconcentrações inaceitáveis como as de Reyes ou  Lichnovsky, mais Fabiano, têm de ser definitivamente irradicados.

Tirando isso, ainda não é tempo para grandes avaliações individuais, as exceções que abro são para o já citado Sami que marcou muitos pontos e para Rúben Neves, um miúdo de 17 anos que joga como um jogador feito e batido. Vendo como já jogou, mas principalmente como quer jogar o F.C. Porto de Lopetegui, Fabiano tem de melhorar  a ocupação do espaço à sua frente e embora em menor escala, o jogo de pés. Gostei de ver que nos cantos e nos livres, a bola não é despejada, mas vai na direcção de alguém que vai aparecer no sítio certo.

Agora é esperar que mundialistas, mais Casemiro e afins, se integrem e toca a criar uma equipa base e automatismos, que a pré-eliminatória da Champions League está quase aí.
Mesmo sem entrar em grande euforias, repito: temos gente, treinador e plantel, para que 2014/2015 faça rapidamente esquecer a época anterior.

sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Não embandeirar em arco, mas que há bons indícios... há


Pelas circunstâncias conhecidas - jogadores a chegarem aos poucos das férias após participação no Mundial e as contingências do mercado -, o trabalho de Julen Lopetegui, que é o que nos intereressa, não tem sido fácil e não devemos exigir já mundos e fundos. Por agora, apenas que a equipa esteja minimamente preparada para quando começar o campeonato e principalmente o play-off da Champions League, possa dar uma resposta positiva e eliminar quem lhe tocar em sorte. Depois, lá mais para a frente, para mim, finais de Outubro, então já dá para ver, na prática, se a equipa é capaz de jogar bem e ganhar, ou pelo menos, que as más exibições sejam a excepção e não a regra, como tem acontecido nos últimos anos. Mas se por um lado isso é claro, calma e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, nem somos um clube de fanfarrões - curiosamente, a minha experiência aqui no blog, diz-me que os primeiros a embandeirar em arco são sempre os primeiros a "cascar" quando as coisas correm mal...-,  por outro há coisas que vou vendo, ouvindo e lendo que me têm agradado. Desde logo e já tinha sido realçado, o discurso, mas principalmente gosto de ver e saber que o treinador é muito interventivo, exige, chama a atenção e corrige os jogadores, uma, duas, três, as vezes que for necessário até as coisas saírem bem. Por exemplo, gostei de saber que Julen Lopetegui tem tentado moldar Danilo. O lateral brasileiro tem muito talento, um enorme potencial, uma capaciddae que ainda não foi explorada. Corrigir-lhe as correrias desenfreadas, ensinando-lhe quando deve ir ou não; quando deve passar, tabelar, fintar ou cruzar; quando deve interiorizar ou dar largura, é importante, Danilo tem valor para muito mais do que tem mostrado no F.C.Porto, pelo menos, ser mais regular ao longo da época. O mesmo para outros jogadores que sentimos terem mais para mostrar do que têm mostrado. Quem sabe Quaresma não vai fazer uma temporada parecida com a 2005/2006 sob o comando de Co Adriaanse ou as duas seguintes, sob o comando de Jesualdo?

Quantos portistas somos?
Deixa ver... seis milhões de vermelhos, três milhões de verdes, mais os que são do Braga, Belenenses, Boavista, Guimarães, Salgueiros, Académica, Chaves, Marítimo, Santa Clara, Portimonenses, Gil Vicente - se não falasse no Gil...-, Setúbal, Leixões, Varzim... é só fazer as contas... mas acho que cabemos todos no Dragão Caixa.

Sami, não quero cortar todo esse entusiasmo, mas tem calma...

O Aimar foi-se, o novo Aimar - Djuricic - vai-se. Há mar e mar, há ir e voltar... 

Piada do dia.
João Bonzinho, na Bola de hoje:
"Os jornalistas desta casa não estão (nem nunca estarão) ao serviço de empresários, dirigentes ou directores de clubes..."
Fernando Mendes no livro Jogo Sujo:
«Fui confrontado com a hipótese de rumar ao Benfica por duas figuras do jornalismo nacional, e em especial da Imprensa desportiva: Leonor Pinhão, assumida benfiquista do jornal A Bola, e João Bonzinho, que também pertence ao mesmo jornal e que nunca fez questão de negar as suas cores clubistas. Foi-me dito que ambos tinham ligações próximas com a direcção do Benfica» (…) «Assinei contrato pelo Benfica, no Bairro Alto, na casa de Leonor Pinhão e do seu marido, o realizador João Botelho. Para além dos dois, estavam lá João Bonzinho, Jorge de Brito, como representante do Benfica, e o meu jovem advogado»